Intolerâncias e alergias alimentares – Por que esta epidemia?


Publicado em: 22 de fevereiro de 2018

Se você não é, com certeza conhece alguém que diz ser alérgico ao leite, glúten, amendoim, frutos dor mar.. ou conhece alguém que vive com distinção abdominal, retenção de líquidos, constipação, enxaqueca, dores abdominais..

Pode ser que você esteja se perguntando, porque há tantos casos de alergia atualmente, antigamente isso não existia?

Sim, antigamente isso aparentemente não existia. Um dos motivos da inexistência pode ser a negligência no diagnóstico, pois as alergias tardias tem sintomas muito diversos facilmente confundidos com outras doenças. Mas, as alergias também são consequência do estilo de vida (e estilo de mundo) que temos hoje, e eu acredito ser esta a principal causa de seu aumento.

A relação com o estilo de vida começa com o aumento da permeabilidade do intestino, também conhecido como intestino permeável ou em inglês Leaky Gut.

Nosso intestino é a primeira proteção do corpo ao mundo externo. É ele desempenha um papel de fronteira e barreira imunológica, selecionando o que pode passar ou não para o nosso sangue. No intestino permeável é como se este filtro fosse rompido, permitindo que moléculas grandes como bactérias intestinais, alimentos não digeridos ou as toxinas cruzem a barreira intestinal e entrem no nosso corpo, o que antes não seriam capazes de fazer.

As proteínas de certos alimentos são de difícil digestão, e quando estamos estressados há uma deficiência na produção de ácido clorídrico no estômago, dificultando a quebra dessas proteínas, que se não adequadamente digeridas no estômago, vão inteiras para o intestino. De lá atravessam a parede intestinal e caem na corrente sanguínea.

Com a presença destas moléculas, o corpo dispara uma reação imunológica (como um ataque àquilo que o invadiu), desencadeando um processo inflamatório. Como nosso sistema imune tem a capacidade de criar memória contra agressores, a partir do momento que ele identifica a partícula de um alimento como um agressor e cria células específicas para combate-lo, todas as vezes que comermos este alimento uma resposta inflamatória irá acontecer. Este é o princípio para o desenvolvimento das alergias alimentares e, dependendo das tendências genéticas do indivíduo, de muitas outras doenças como, alergias, artrite reumatóide, esclerose múltipla, tireoidite de Hashimoto ou Graves, fibromialgia, doença de Crohn, etc.

Atualmente temos muito mais fatores que disparam este aumento da permeabilidade e diminuem a capacidade do organismo de modular as respostas de defesa aos agressores do que antigamente.

Mas o que faz com que a intestino se torne permeável?

Há várias causas que geralmente se somam desencadeando o aumento da permeabilidade. As principais delas são: estresse de longo prazo, má digestão ou uso de anti ácidos por longo prazo, uso de antibióticos, infecções, consumo de alimentos altamente alergênicos (sendo os principais laticíneos, glúten, oleaginosas, soja e ovos), toxinas ambientais (agrotóxicos, poluentes do ar, metais pesados), menopausa e gravidez.

Um ou mais destas situações estão presentes na sua vida diariamente? Na minha sim, e ainda estou para conhecer alguém que vive no mundo moderno que não está exposto a nenhum destes fatores.

Oque determina se você vai desenvolver a permeabilidade é sua sensibilidade…

As alterações na integridade do trato gastrointestinal podem ser causa e também consequência de alergias alimentares e/ou químicas, entrando num círculo vicioso

Resultado de imagem para leaky gut

Esquema de um intestino permeável: À esquerda a representação de um intestino saudável, à direita a representação de um intestino inflamado e permeável, que leva à má absorção de nutrientes e permite a passagem de macromoléculas para a corrente sanguínea, disparando um processo inflamatório e doenças auto imunes.

Quais os sintomas de uma alergia tardia?

As alergias tardias são aquelas que apresentam sintomas até 72h depois, diferente das alergias imediatas, que manifestam sintomas logo após o contato ou ingestão da substância alergênica, geralmente caracterizados por espirros, trancamento da respiração e vermelhidão.

As reações de alergia tardia são as mais diversas possíveis como distinção abdominal, retenção de líquidos, constipação, enxaqueca, dificuldade de engravidar, depressão, doenças auto imunes, dificuldade de perder ou ganhar peso, inchaço, dentre outros. A dimensão e gravidade da ocorrência de certos sinais e sintomas podem nos dar uma noção se há uma alergia alimentar tardia, através do questionário de Rastreamento Metabólico.  Este questionário não é suficiente um diagnóstico, para pode indicar a necessidade de uma pesquisa mais aprofundada com devido acompanhamento de um nutricionista funcional.

Eu posso deixar de ter alergia à um alimento?

Depende do grau de alergia que você tem a este alimento. Aqueles alimentos em que a reação é alta (detectado por exames alérgicos) recomenda-se a ausência no consumo de pelo menos 2 anos. Para alimentos em que há uma reação menos acentuada, deve-ser evitar o consumo por pelo menos 6 semanas.

Durante este período se faz um tratamento para a recuperação da barreira intestinal (voltar a ter bons filtros) e dessensibilização. Depois disso, os alimentos alergênicos podem eventualmente voltar a fazer parte da dieta, mas nunca na mesma frequência e quantidade que eram consumidos antes. O padrão será uma dieta de rotação, que consiste em variar os alimentos conforma a família botânica à que pertencem.

O que devo fazer se desconfio de alergia?

Você pode começar fazendo um teste de eliminação dos alimentos que desconfia ter reação e observar a melhora dos sintomas. O indicado é ficar pelo menos 2 semanas sem ingerir o alimento e depois fazer um teste de desafio (ingerir este alimento pelo menos 3x em um único dia) e se observar pelos próximos 3 dias (sem ingerí-lo novamente). Muitas vezes esta análise se torna complexa, pois podemos apresentar reações a mais de um alimento.

Os testes sanguíneos que temos disponíveis no brasil detectam imunoglobulinas IgE, responsáveis por alergias imediatas, então se o seu caso os sintomas aparecerem horas ou dias após o consumo do alimento ele não te dará um diagnóstico correto. Existem testes de alergia alimentar tardia contra IgG, mas atualmente os valores deles são bem altos e muitas vezes inviáveis.

Após identificado os alimentos que te causam reações, inicia-se um tratamento de desensibilização que pode durar de 3 mês à 2 anos.

O conteúdo deste artigo é informativo mas não substitui uma consulta ou tratamento nutricional. Procure uma nutricionista funcional mais perto de você.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4637104/